História do Peru - A Conquista Espanhola | Dos Manos Peru Viagens


História do Peru - A Conquista Espanhola

Parte III: A Conquista Espanhola


A busca de Pizarro por ouro e tesouros
Em 1528, Francisco Pizarro e seus irmãos finalmente entraram em contato com distante posto avançado Inca na costa do Peru após desembarcarem ao sul, plea costa pacífica do Panamá. Pizarro e seu bando de exploradores esperavam encontrar um império coberto por ouro, similar àquele que Cortés derrubou no México dos dias modernos. O sucesso na conquista de Cortés e o consequente enriquecimento através do ouro Asteca inspirou uma geração de exploradores a seguir em suas pegadas para encontrar o próximo grande império Americano e prosperar com isso.

Guerra civil no Império Inca
À medida que Pizarro e seu bando viajavam para baixo da costa oeste da América do Sul, eles ouviam histórias de pessoas locais sobre um vasto e poderoso império localizado mais ao sul e ao interior. Quando eles finalmente alcançaram a famosa nação, eles chegaram em uma cena de caos, morte e guerra civil. A varíola havia descido ao sul, do Panamá ao Império Inca, muito antes de qualquer europeu ter sequer ouvido falar do que existia ao sul. Entre 1524 e 1526, a doença havia devastado Tahuantinsuyo, matando nobres e cidadãos comuns. Uma das vítimas foi Huayna Capac, o Inca (Imperador) da época, e seu herdeiro, junto com praticamente todo o resto da família real.

Sem um sucessor definido e designado ao trono, o Império Inca foi levado ao caos e uma guerra civil se estabeleceu entre dois irmãos. Huáscar tecnicamente se levantou para herdar o trono de seu pai Huayna Capac, mas por ter sigo um filho mimado que passou a maior parte de sua vida na capital Cusco, ele sabia pouco sobre o aspecto prático da guerra ou da liderança. Seu meio irmão Atahualpa cresceu com o exército, lutando as guerras Incas de conquista no Equador. Enquanto legalmente ele não era o próximo na linha de sucessão a herdar o trono, ele tinha experiência, coragem e o apoio do exército para vencer seu irmão Huáscar.

A busca de Pizarro por ouro e tesouros
A Conquista do Império Inca
Insira a Espanha neste cenário e você terá a explicação quase perfeita sobre por que um dos impérios mais poderosos da terra, e certamente o mais poderoso e maior império de sua época no século 16, foi dominado rápida e efetivamente por um bando pequeno de plebeus de Extremadura na Espanha. Em comparação com a Europa da época, o império Inca era amplamente superior em muitos níveis.

Em proporção coesa, os Incas deixariam a Europa fraturada e dividida no chinelo. A Europa durante o século 16 era composta por muitos estados e nações pequenas, todas em competições umas com as outras. O império Inca na época era um império geograficamente massivo e unificado que havia estabelecido um tipo de paz, semelhante à Pax Romana, com suas terras conquistadas. Em termos de organização social, os Incas eram altamente avançados e os Europeus ficaram impressionados com o saneamento básico público, a beleza e a organização das cidades, que estavam bem à frente da sujeira, lotação e mar de doenças típicos das cidades da Europa.

Equívocos comuns sobre a Conquista Espanhola
O armamento utilizado pelo exército Inca era um testamento de suas habilidades e conhecimentos, o que desafia um outro esteriótipo perpetuado por nós sobre esta civilização 'antiga' (muitas pessoas erroneamente se referem à Inca 'antiga', quando seu império existiu durante o século 15, um período que não recebe a mesma nomenclatura quando nos referimos à Europa ). Os incas fizeram uma armadura leve e legal, porém durável e forte, utilizando têxteis, um material e forma de arte essenciais de tantas maneiras para sua cultura. Quando Pizarro e seu pequeno exército chegaram, muitos soldados descobriram que a armadura Inca era superior à pesado e quente armadura Europeia feita de metal. Há evidência de que alguns soldados espanhóis começaram a utilizar armaduras capturadas de Incas em vez de suas próprias armaduras de metal.

Este engano comum sobre a tecnologia superior vencendo a Conquista para a Espanha é tanto verdade quanto mentira, de várias maneiras. Enquanto armas tenham sido essenciais para dominar Tahuantinsuyo, isso não se devia ao fato de que eles possuíam uma arma superior no sentido de matar mais efetivamente. Na verdade, na época da conquista Inca o mosqueteiros espanhóis eram bastante ineficientes e imprecisos. Um arqueiro Inca poderia facilmente derrubar um inimigo a uma distância maior e com uma precisão melhor do que um atirador espanhol. A vantagem que a Espanha tinha em tecnologia de armas veio do elemento surpresa.

Os Incas jamais haviam vivenciado nada parecido com a pólvora, e as explosões, os sons e os cheiros que as armas produziam levaram o exército Inca ao caos e à destruição. Combine isso com os soldados espanhóis em cavalos, e você tem dois conceitos novos e assustadores que nunca tinham sido apresentados aos Incas antes, e dos quais eles não compreendiam. Nas Américas, o maior animal domesticado era a lhama, que não é forte o suficiente para ser montada. Lhamas servem apenas como animais de carga e para que suas fibras grossas sejam aproveitadas. Os soldados espanhóis cavalgando estabeleceram a primeira vez que alguém nas Américas, incluindo os Incas, havia presenciado o conceito de um ser humano andando em um animal de qualquer natureza.

A batalha de Cajamarca
Os espanhóis conhecidamente tiraram vantagem desta combinação alarmante de novas tecnologias para surpreender Atahualpa e seu exército em 16 de novembro de 1523, enquanto eles celebravam na Cajamarca. Na Batalha da Cajamarca a Espanha criou um caos no exército Inca e capturou Atahualpa, um movimento que impotencializou o resto do exército. Como a Espanha pode fazer algo assim com um ser que era considerado um deus? O exército Inca caiu por terra e muitos soldados Incas foram mortos na tentativa de escapar, sendo mortos diretamente pela Espanha e sua tecnologia 'superior'.

A captura de Atahualpa
Com Atahualpa capturado, Pizarro e seu bando quiseram remover permanentemente a cabeça do Império Inca e também se livrar de mais conflitos terríveis. Eles sabiam pela experiência de seus compatriotas no México que remover o líder do império levava à conquista fácil e à queda do resto da nação. Eles mantiveram Atahualpa refém enquanto exigiam que uma sala fosse toda preenchida por ouro em troca de sua soltura. Após obter o ouro, a Espanha precisava de uma desculpa para executar Atahualpa de qualquer forma e o acusou pela morte de seu meio-irmão Huáscar na guerra civil. Sem surpresas, eles o declararam culpado e prontamente o executaram por estrangulamento. Com o Inca fora do caminho, Pizarro marchou para a capital, a cidade de Cusco.

A queda de Cusco
Em Cusco, Pizarro e seus irmãos encontraram o resto do ouro que estavam procurando: Um de seus primeiros atos foi limpar os templos de todo o ouro que cobria as paredes de pedra. Cusco era literalmente uma cidade coberta por ouro, exatamente como a Espanha sonhava. Tomando Cusco para si, Pizarro e seus irmãos organizaram uma nova colônia espanhola após ficar evidente que a marionete Inca que eles formaram e controlavam era obviamente um disfarce para os povos locais. Após múltiplas rebeliões sangrentas, a Espanha finalmente reestabeleceu Cusco como o centro da sua nova colônia em 23 de março de 1534. O país moderno do Peru começou a se formar e a história dos Andes foi completamente reescrita.