Viagem

História do Peru – A Ascensão do Império Inca

Parte II: A Ascensão do Império Inca


Origem da cultura Inca
O mito da origem Inca fala de pessoas que surgiram das terras em volta do Rio Riricaca e iniciaram uma jornada migratória em busca de um lugar para chamar de casa e se tornar a capital de seu império. Após viajar ao norte, as figuras fundadoras feminina e masculina, Mama Ocllo e Manco Cápac, se depararam com o vale do Cusco e decidiram que esta seria a locação de sua capital. Apesar do fato de que já havia uma cultura previamente estabelecida no vale do Cusco, os ancestrais dos Inca a dominou, para então fundar uma das maiores civilizações conhecidas pela humanidade.

Seu império, conhecido por eles como Tahuantinsuyo, era o maior da América pré-colombiana. Em seu ápice territorial no século 16, ele chegava a até quase toda a extensão dos Andes, desde parte da Colômbia ao norte até a metade nortina do Chile no Sul. Do leste ao oeste, ele se estendia desde a costa pacífica para cobrir toda a área do Peru moderno e Bolívia e a parte noroeste da Argentina, contando com a amazônia Peruana.

A Ascensão do Império Inca
Expansão do Império Inca
O primeiro líder a expandir consideravelmente as fronteiras de Tahuantinsuyo, que significa 'As Quatro Regiões Unidas' em Quechua, foi Pachacuti no século 15. Seus descendentes continuariam a expansão tanto por meios violentos quanto pacíficos. Uma das características principais das conquistas Incas e também a razão para seu sucesso, era a remoção e realocação forçada dos povos conquistados por eles. Em vez de permitir que uma cultura conquistada continuasse vivendo em suas terras porém governadas pela lei Inca, os Incas os realocavam forçadamente para outra área do império. Arrancados de suas terras nativas, abalados pela jornada e desacostumados com o novo território, os recentemente conquistados tinham muito menos chance de se rebelarem, já que agora dependiam de seus conquistadores para sobreviver na nova terra que eles ainda não dominavam.

A segunda razão para o sucesso Inca após conquistar um novo território era tripla. Eles impunham o Quechua como a língua oficial do império, criavam uma taxa de trabalho que os permitia construir um enorme sistema de estradas, sistema de estoque de grãos e complexos prediais por Tahuantinsuyo. Finalmente então, eles permitiam que os povos conquistados mantivessem suas próprias culturas e religiões desde que eles reconhecessem a cultura e os deuses Incas como superiores.

Organização de Tahuantinsuyo
Quechua era a língua da tribo vizinha à cultura Inca original. Ao impôr esta língua para todos os povos sob seu governo, os Incas garantiam um meio de comunicação entre todos do império, não importando o quão longe eles viviam. Quechua era para os Andes o que o Latim era para o Mediterrâneo.

A taxa de trabalho que os Incas impuseram a todos sob seu governo garantia um suprimento estável de recurso para seus magníficos projetos prediais, além de apenas ouro em seus cofres. Esta prática veio de tradições já existentes dos minga, ou essencialmente trabalho coletivo, onde a comunidade se uniria para completar uma tarefa que beneficiaria toda a comunidade ou apenas um indivíduo. Cobrir uma laje, por exemplo, era normalmente uma tarefa minga porque uma ou duas pessoas eram capazes de fazer sozinhas. Mingas são atividades que sobrevivem até os dias de hoje em várias comunidades rurais.

Infraestrutura Avançada no Império Inca
Através de sua taxa de trabalho, os Incas conseguiram construir um massivo sistema de estradas que cortava seu império, conhecido como a Cauda Inca, de norte a sul e de leste a oeste. Via um sistema de retransmissão de corredores velozes, que eram chamados de chasquis, acredita-se que uma mensagem poderia ser entregue mais rápido através do sistema rodoviário Inca do que utilizando os cavaleiros romanos em estradas romanas.

Além de suas rodovias impressionantes, os Incas também tiravam vantagem da taxa de trabalho para construir um sistema de armazéns espalhados pelo império. Durante períodos de colheita ruins, eles contavam com seu estoque de comida para garantir que ninguém, do maior ao menor, morresse de fome. Mesmo que isso não signifique que todos estavam comendo de forma ideal durante os tempos difíceis, é sustentada a ideia de que o sistema Inca eliminou a fome durante sua existência.

O papel do Imperador Inca
Ao contrário do cristianismo, que funcionava absorvendo tradições religiosas para si, os Incas garantiam a dominância de sua religião permitindo que os povos conquistados mantivessem suas próprias práticas enquanto prestavam reverência à superioridade Inca, tanto religiosa quanto cultural. O deus Inca principal era o deus do sol Inti, que foi incorporado na terra pelo Imperador Inca. Como um deus, o Imperador era sujeito a rituais especiais e era proibido de ser visto pelo homem comum. Esta reverência extrema ao seu líder foi uma das razões para a queda dos Incas sob as mãos da Espanha. Após capturar e matar Atahualpa, o Imperador Inca da época da Conquista, a Espanha cortou fora sua cabeça e levou a nação ao caos.

Cusco, a capital do império Inca
O centro do estado Inca e a capital de Tahuantinsuyo, como dito antes, era a cidade de Cusco. A cidade real foi projetada para parecer um Cougar, a cabeça do que era Sacsayhuaman. Era lá onde ficava a principal estrutura real, e as funções administrativas, políticas e militares ficavam mais abaixo. Os principais templos de Cusco contornavam o que é hoje o Plaza de Armas. Esta área aberta costumava ser coberta por toneladas de areia que os Incas transportaram do litoral. Neste quadrado arenoso, os Incas entregaram milhares de objetos em rituais de sacrifício para seus deuses.

As quatro regiões do Império
Partindo da capital em Cusco, Tahuatinsuyo era dividida em quatro regiões: Chinchasuyo, Antisuyo, Contisuyo e Collasuyo. O império todo era organizado tanto geográfica quando socialmente de acordo com a ideia mítica sobre a harmonia de relacionamentos entre deuses, natureza e seres humanos. Hoje, esta área ainda é importante para muitos povos Andinos e visitantes das terras ancestrais. Apesar da importância dos relacionamentos harmônicos para os Incas, os visitantes modernos não devem confundir este ideal com a realidade.

Romantizar o passado é fácil e muitas vezes tentador, mas não é justo com a nossa história coletiva. Uma das principais razões para o sucesso da conquista Espanhola foi o fato de que alguns subordinados de Tahuantinsuyo prontamente se dirigiram ao lado Espanhol com a ideia de finalmente vencer os odiados senhores Incas. Outras pessoas vivendo sob o governo Inca viram de forma passiva a Espanha como apenas uma mudança de ditadores brutos, e líderes violentos são bem parecidos se tudo o que você vivencia é opressão..